Brilhe! manifeste a Sua luz

A Escritura diz que o caminho dos justos fica mais e mais brilhante a cada dia. Se permanecermos no caminho que somos chamados a caminhar, nossa vida vai continuar recebendo mais brilho. Teremos desafios e provações nesta jornada, mas cada um cheio de luz e revelação. Este deve ser um processo normal enquanto caminho na jornada da vida com o Mestre.

No entanto, Ele nos diz que SOMOS A LUZ DO MUNDO e que a nossa luz deve brilhar diante dos homens para que o Pai seja glorificado nos Céus (Mt. 14). O evangelho de Mateus também afirma que se a nossa luz não estiver brilhando elas se tornarão em grandes trevas. (Mt. 6:23).

Fiquei então pensando o quanto é necessário que a aquilo que tenho recebido e vivido no Senhor é importante ser revelado aos homens para que a vida dEle seja manifesta e os que a recebem possam não somente receber a salvação, mas também glorificar o Pai nas alturas.

Percebi que não há meio termo, ou seja, não posso ter uma luz “fraca” a ponto de causar penumbra ou muito menos apagá-la, porque causarei mais dano aos que se achegarem a mim do que o próprio ímpio que não tem luz.

Quanta responsabilidade nos confere o Senhor pela luz que Ele nos deu. Lembrei-me de quantas vezes deixei de fazer brilhar a luz que há em mim simplesmente por comodismo ou pela procura das “demais coisas” (Mt. 6:33).

Quando Israel estava no Egito e foi lançada a penúltima praga das trevas sobre aquela nação, a Bíblia nos informa que a escuridão que estava sobre eles dava para apalpar (Ex. 10:21). Eram trevas pesada onde os demônios do inferno foram liberados e causaram grande pavor a todos os habitantes desta nação. Depois disto só a morte dos primogênitos (Vide Sabedoria de Salomão 17:1-18 – Bíblia de Jerusalém).

Fiquei meditando que ao impedir que a luz de Deus que há em mim Brilhe, ou mantê-la apagada irei causar uma treva sem precedente e provocar mais dano ao Reino do que posso imaginar. Lembrei, então, das palavras de Jesus que disse para a Igreja de Laodiceia que “os mornos”, “os que ficam na penumbra, ou na “moita”, provocam nEle ânsia de vômito (Ap. 3:15-16).

Quanta responsabilidade nos foi conferida. O que então fazer? Como? Onde? Quando?

É muito simples: a Palavra afirma que o Espírito Santo está sempre em movimento como no princípio (Gn. 1.1). Ele não para.

Ora, se Ele habita em mim e está em constante movimento, também eu devo me movimentar COM ELE. Como? Primeiramente SERVINDO AO SENHOR e em seguida AJUDANDO AO PRÓXIMO.

Quando me movimento e me deixo ser levado por Ele, ao invés de tentar levá-Lo onde eu quero ir, certamente o dynamus que há em mim começa a girar e vai provocar uma luz intensa tal, que a glória de Deus será vista há milhas de distância.

O desejo de Deus é que a Luz que há em nós seja mais intensa do que estava sobre Moisés quando desceu do monte Horebe (2 Co. 3:7). Então vamos carregar esta luz (tocha) dentro dos corações e nas em nossas mãos nas cidades, estados, nações, nos templos pagãos, idólatras, ocultistas, hospitais, orfanatos… Vamos incendiar a terra e simplesmente obedecer e satisfazer o desejo do coração de nosso Rei (Lucas 12:49).

Deixe a luz que há em você brilhar.

_Pastor Adalberto Braglia

 

Igreja de Florianópolis – Proclamando a Verdade