Reflexoes Egito

Nós alcançamos o Egito e Israel

No último mês (Maio de 2017) estivemos num grupo de 54 pessoas no Egito e em Israel. Foi uma viagem de muitas conquistas e de momentos preciosos na Presença de Deus. Foram dias de oração e dias de conhecimento sobre a história destas duas nações tão importantes para a história mundial e, principalmente, para o cenário político e social que antecedem o livro de Apocalipse.

Leia o texto do Pastor Adalberto Braglia sobre os despojos desta viagem

No Egito chegamos ao Cairo e fomos ao rio Nilo. Antes mesmo de chegarmos ao Egito, o Senhor já nos deu revelações de oração sobre este grande rio e quando estivemos na Etiópia, tivemos a oportunidade de orar pela foz deste rio e pelas dez nações que este rio alcança em toda a África.

De todos os lugares, porém, que estivemos no Egito, o mais importante foi o Monte Sinai.

É preciso preparo para subir o Sinai e este é o motivo pelo qual fomos ao Egito.

Porque partiram de Refidim e entraram no deserto de Sinai, onde se acamparam. Israel, pois, ali se acampou em frente ao monte. E subiu Moisés a Deus, e o Senhor o chamou do monte, dizendo: Assim falarás à casa de Jacó, e anunciarás aos filhos de Israel: Vós tendes visto o que fiz aos egípcios, como vos levei sobre asas de águias, e vos trouxe a mim; Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos, porque toda a terra é minha. E vós me sereis um reino sacerdotal e o povo santo. Estas são as palavras que falarás aos filhos de Israel. E veio Moisés, e chamou os anciãos do povo, e expôs diante deles todas estas palavras, que o Senhor lhe tinha ordenado. Então todo o povo respondeu a uma voz, e disse: Tudo o que o Senhor tem falado, faremos. E relatou Moisés ao Senhor as palavras do povo. E disse o Senhor a Moisés:

Eis que eu virei a ti numa nuvem espessa, para que o povo ouça, falando eu contigo, e para que também te creiam eternamente. Porque Moisés tinha anunciado as palavras do seu povo ao Senhor. Disse também o Senhor a Moisés: Vai ao povo, e santifica-os hoje e amanhã, e lavem eles as suas roupas, E estejam prontos para o terceiro dia; porquanto no terceiro dia o Senhor descerá diante dos olhos de todo o povo sobre o monte Sinai. E marcarás limites ao povo em redor, dizendo: Guardai-vos, não subais ao monte, nem toqueis o seu termo; todo aquele que tocar o monte, certamente morrerá. Nenhuma mão tocará nele; porque certamente será apedrejado ou asseteado; quer seja animal, quer seja homem, não viverá; soando a buzina longamente, então subirão ao monte. Então Moisés desceu do monte ao povo, e santificou o povo; e lavaram as suas roupas. E disse ao povo: Estai prontos ao terceiro dia; e não vos chegueis a mulher. E aconteceu que, ao terceiro dia, ao amanhecer, houve trovões e relâmpagos sobre o monte, e uma espessa nuvem, e um sonido de buzina mui forte, de maneira que estremeceu todo o povo que estava no arraial.

E Moisés levou o povo fora do arraial ao encontro de Deus; e puseram-se ao pé do monte. E todo o monte Sinai fumegava, porque o Senhor descera sobre ele em fogo; e a sua fumaça subiu como fumaça de uma fornalha, e todo o monte tremia grandemente. E o sonido da buzina ia crescendo cada vez mais; Moisés falava, e Deus lhe respondia em voz alta. E, descendo o Senhor sobre o monte Sinai, sobre o cume do monte, chamou o Senhor a Moisés ao cume do monte; e Moisés subiu. E disse o Senhor a Moisés: Desce, adverte ao povo que não traspasse o termo para ver o Senhor, para que muitos deles não pereçam. E também os sacerdotes, que se chegam ao Senhor, se hão de santificar, para que o Senhor não se lance sobre eles. Então disse Moisés ao Senhor: O povo não poderá subir ao monte Sinai, porque tu nos tens advertido, dizendo: Marca termos ao redor do monte, e santifica-o. E disse-lhe o Senhor: Vai, desce; depois subirás tu, e Arão contigo; os sacerdotes, porém, e o povo não traspassem o termo para subir ao Senhor, para que não se lance sobre eles. Então Moisés desceu ao povo, e disse-lhe isto (Êxodo 19:2-25).

 Com esta Palavra e meditando em tudo o que vivemos, entendo que (e esta é uma interpretação pessoal na Presença):

  1. Deus nos levou nas asas da águia para o Sinai.
  2. Ir ao Sinai, o processo – o caminho, é mais importante que alcançar este monte.
  3. O caminho ao Sinai é um deserto, não de alma, mas de espírito.
  4. O deserto te ensina (ou te obriga?) a ser dependente de Deus.
  5. Para chegar ao deserto é preciso atravessar o mar a pés secos (aquilo que é impossível naturalmente).
  6. Para chegar ao deserto é preciso enfrentar a fúria de Deus no mundo (como as pragas na época de Moisés e então, estamos hoje tendo muitas notícias ruins, principalmente no Brasil onde foi realizada greve geral (28/04/17) com depredações, tumultos, vandalismo e cenas de guerra em muitas cidades, e temos outra agendada para 30/06/17).
  7. Faraó aparece idolatrado como um deus (O papa foi até Egito 10 dias antes de nossa chegada. Este mesmo papa foi levantado após a nossa ida ao seu trono vazio no Vaticano em 2012).
  8. Para chegar ao deserto é necessário enfrentar o Faraó no Nilo.
  9. É preciso ferir as águas do Nilo com cajado (como Moisés fez).
  10. Para chegar a Faraó é preciso antes ter um encontro com Deus com fogo.
  11. A sarça deve estar ardendo na montanha (a Sua santa presença e a nossa paixão pelo Senhor devem estar de acordo com a Sua expectativa).
  12. A presença do Senhor é fogo e este fogo não consome o local (arbusto/planta – aquilo que é físico/palpável).
  13. Do encontro com Deus vem uma palavra diretiva que requer obediência.
  14. Esta obediência é sacrificial (Para Moisés voltar ao Faraó poderia lhe custar sua própria vida, visto o passado onde matou um egípcio e ele poderia ser morto por este crime).
  15. Esta obediência é movida pela fé individual e pela firme convicção de que Deus se revelou a você e você precisa fazer a Sua vontade (Se você não tomar esta atitude você entenderá que estará em desobediência individual a Deus).
  16. É preciso ter uma profunda revelação de que Deus quer de você algo que não quer dos outros (ele não pode enviar outro no seu lugar, assim como não enviou Aarão como sugestão do próprio Moisés).
  17. Você não precisa estar livre da acusação dos homens e seu passado ou pecado não precisam estar resolvidos diante do homens (Moisés continuava sendo um fugitivo e um criminoso, mas obedeceu não olhando para o que os outros poderiam lhe acusar – o mesmo deve acontecer quanto aos falatórios da nossa viagem de obediência ao Egito).
  18. Para obedecer ao Senhor é preciso ser chamado por Ele (e isso tem acontecido e aconteceu com Moisés enquanto rebanhava).
  19. Para obedecer é preciso reconhecer a Sua voz.
  20. Para reconhecer a Sua voz é preciso estar separado para ele (Moisés estava sozinho quando foi chamado).
  21. Na grande cidade é preciso estar alerta, pois os guardas de Faraó (olheiros) estão em todos os lugares prontos para atacar qualquer coisa fora da normalidade.
  22. Na casa de Faraó, nos seus palácios e em seus jardins é preciso continuar firme na plena convicção que somente o Deus de Israel é Deus e este Deus transforma e confunde a autoridade do próprio Faraó (como o que aconteceu com a serpente de Moisés em Êxodo 4 e 7).
  23. Deus manifesta sua grandeza diante de seus inimigos (Êxodo 4 a 10).
  24. A grande cidade é lugar de opressão e roubo – perda.
  25. A grande cidade é lugar de perda e roubo dos filhos (Joquebede perdeu seu filho e muitas mães tiveram seus filhos mortos. Na última praga, todos os primogênitos egípcios morreram).
  26. A grande cidade é palco de idolatria e satanismo.
  27. A grande cidade é lugar de escravidão (pecados) e pobreza (espiritual e natural).
  28. Ao sair da grande cidade não se pode olhar para trás (saudade do Egito/escravidão).
  29. Avançar com o profeta é crer que Deus está conosco usando alguém que não é perfeito para guiar o Seu povo.
  30. Avançar com o profeta é entrar num deserto sem previsão de término mantendo a esperança e a fé viva e ativa.
  31. O deserto é pior aos que se rebelam contra autoridades.
  32. O deserto mata os que vão contra o profeta.
  33. O deserto é um lugar de total dependência individual de Deus, mas vive-se em comunidade (arraial do povo/tribos).
  34. O deserto te prepara para a guerra de Canaã.
  35. Muitos filhos são gerados no deserto.
  36. No deserto há um monte da manifestação do Senhor.
  37. Para subir o Sinai é preciso preparo físico e mental.
  38. Para subir o Sinai é preciso consagração.
  39. O profeta e o ancião subiram o Sinai e assim deve ser.
  40. Nem todos precisam subir o Sinai para não serem afligidos (Êxodo 19:2-25).
  41. Por três dias tivemos que nos santificar e jejuar (foi feito antes da viagem) (Êxodo 19:2-25).
  42. Antes do Sinai tivemos uma guerra no Cairo.
  43. Guerrearemos no rio Nilo e profetizaremos sobre ele.
  44. Guerreamos na Etiópia e profetizaremos sobre ela.
  45. Intercedemos por todos os povos e nações que o Rio Nilo passa.

Assim, analisando os 45 pontos listados acima tenho uma certeza grande de que ida do Papa ao Egito foi uma permissão de Deus e também uma confirmação de Deus para nós como igreja. Hoje o Egito não possui Faraó e não há um líder fenomenal em destaque mundial. Entretanto, o Papa recebeu este “louvor” por multidões na nação egípcia onde o islamismo predomina (estranho). Ele estava ali como representante de um governo do inferno para manter a ordem e as rédeas sobre o povo. Estamos indo justamente anular isso. Não será fácil pois o espírito do anticristo que precede a grande besta está sobre ele (e isso nos fora revelado na Capela Cistina em 2012. Esse homem foi levantado quando não havia papa em Roma. Nós fomos lá e declaramos que por onde ele fosse, sua ação seria limitada, mas ele tem poder e o inferno o conhece).

Temos AUTORIDADE em Seu nome. Moisés foi chamado por Deus na montanha enquanto cuidava das ovelhas de Jetro. Nós fomos chamados por Deus na montanha enquanto cuidamos das igrejas de nossas cidades. Moisés enfrentou Faraó. Nós temos enfrentado potestades de alto escalão nas nações. Digo isso por causa das evidências – sei que existem mais, muito mais. O Senhor vai nos levar (ou talvez Ele QUER) nos levar a um nível mais profundo na nossa oração no Egito. Me refiro a mais profundo a algo mais específico, histórico, importante – revelações que não estão na superfície da sociedade, mas naquilo que está por detrás dela – uma quantidade enorme de envolvimento com as trevas nas tumbas, esfinges, pirâmides, ruas, mercado, etc. Sendo assim, o Senhor nos permitiu ir em um grupo grande (54 pessoas) pois justamente cada um teve seu grau de participação nesta intercessão, pois cada um orou  sobre o local ou sobre aquilo que o Espírito da Verdade nos conduziu. Sim, Ele nos conduziu. Ele revelou segredos de oração, aquilo que está oculto e precisa ser escancarado para a falência do diabo na nação. Ele não fez através de um única pessoa, ele fez através da igreja (o grupo dos 54).

Ontem antes de começar a escrever eu estava adorando ao Senhor e de repente senti um frio, um vento entrou pela janela e meus lábios passaram a tremer. Era Ele. Deixei-me ser conduzido pelo Espírito e eu adorava ao Senhor (com os lábios tremendo em língua dos anjos) pelos seus feitos ao Seu povo no Egito e declarava que Deus faria o mesmo conosco. Depois passei somente a adorá-lo. Acredito que Deus fará isso com as pessoas do nosso grupo. Cada um será guiado por Deus a orar pelo Egito – pelo povo desta nação e Deus colocará amor em cada um de nós pelas nações do Nilo após esta viagem. Esta nação mesmo tendo resistido e negado ao Deus de Israel, tem particular importância para Deus e para a vida de todo cristão. Não é à toa que cada cristão se refere ao seu passado longe da salvação em Cristo ao Egito – muitos atribuem ao Egito a “escravidão” ao pecado. Nesta linha de raciocínio, cada pessoa tem sua familiaridade com o Egito e hoje pisa nas terras do Egito revigorado, salvo e transformado para ser um agente de transformação espiritual através da intercessão em Cristo Jesus. Deus vai ouviu nossa súplica. Além do mais, Deus vai manifestou-se sobre aqueles que se deixaram ser tomados/tocados por Ele. Não podemos andar distraídos, Deus nos quer e tem um propósito sobre nós para liberarmos sobre as Nações. Este amor virá Dele – somente Dele:

Oro para que, com as suas gloriosas riquezas, ele os fortaleça no íntimo do seu ser com poder, por meio do seu Espírito, para que Cristo habite em seus corações mediante a fé; e oro para que vocês, arraigados e alicerçados em amor, possam, juntamente com todos os santos, compreender a largura, o comprimento, a altura e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo que excede todo conhecimento, para que vocês sejam cheios de toda a plenitude de Deus. Àquele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós, a ele seja a glória na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre! Amém! (Efésios 3.16-21).

 O amor de Deus excede nosso próprio conhecimento. Nestes dias Deus vai ampliar o nosso conhecimento sobre “amor” nas fazendo compreender em partes que este texto revela: a largura, o comprimento, a altura e a profundidade do amor – conhecemos em partes e agora Deus vai ampliar este conhecimento sobre nós. Chegou a hora – conhecer a Deus e prosseguir em conhecê-lo (cada vez mais).

Outro ponto importante é: DEUS É CAPAZ DE AGIR INIFINITAMENTE MAIS DAQUILO QUE PENSAMOS. Ele vai além das nossas expectativas.

Glórias sejam dadas, ao Rei dos reis de toda a Terra.

 Pastor Israel Braglia

 

Igreja de Florianópolis – Proclamando a Verdade