“Dar-te-ei as chaves do reino dos céus; o que ligares na terra terá sido ligado nos céus, e o que desligares na terra terá sido desligado nos céus” Mateus 16.19.

Recentemente, fui levado a meditar sobre o poder da oração. Quão importante é a oração na vida da igreja! Pedro, o apóstolo, sem ao menos saber foi salvo pela oração de intercessão de Jesus – “Simão, Simão eis que Satanás vos reclamou para vos peneirar como trigo! Eu, porém, roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; tu, pois, quando te converteres, fortalece os teus irmãos” Lucas 22.31-32. Definitivamente a oração de Jesus foi decisiva para Pedro cumprir o seu chamado.

Ao mesmo apóstolo Pedro, como representante da igreja e pedra (lendo-se fragmento de pedra ou pedrinha Mt. 16.18), que estava sendo fundamentado na Pedra angular (Jesus Cristo), foi entregue as chaves do reino.

Chaves são comuns em nosso meio e estamos habituados a manuseá-las no nosso dia a dia. Chaves são usadas para abrir portas, compartimentos, carros, enfim, para nos dar ou trancar o acesso de algo.

Se pararmos para observar e meditar como utilizamos as chaves no nosso dia a dia e o que fazemos de forma quase que automática, podemos aprender muito. Podemos perceber que a oração é uma chave que nos dá acesso àquilo que está encoberto ou oculto, escondido – fora do nosso alcance.

Observando cada passo que tomamos quando usamos uma chave, encontramos verdades espirituais preciosíssimas para nossa vida de oração, que, se aplicadas corretamente trarão grandes benefícios as nossas vidas e para a igreja! Destacamos pelo menos quatro pontos. Vejamos:

  • Identificar o tipo de chave que devemos usar = Discernimento

Quando temos que abrir algo e temos um molho de chaves em nossas mãos, fazemos uma seleção inicial de que tipo de chave serve para a fechadura que desejamos abrir. Ninguém em sã consciência e com um pouco de inteligência toma uma chave “Tetra” para abrir uma fechadura simples, ou uma chave maior que a fechadura. Existem fechaduras que são abertas utilizando uma chave geral ou universal, mas de uma forma geral para cada fechadura existe uma chave, um segredo. Existem portas que é necessário mais de uma chave, pois possuem mais de uma fechadura. Quando desejamos guardar algo de valor não utilizamos uma fechadura universal, que pode ser aberta por qualquer tipo de chave. Optamos pela especificidade que nos dará segurança, pois sabemos que o que desejamos guardar é algo de valor. Sabemos que nestes casos uma chave com o segredo “quase” igual o da fechadura não é o suficiente para abrir a porta. Ela precisa ser idêntica. Interessante não?

No reino espiritual, existem portas que precisam ser abertas, mas não serão abertas por qualquer tipo de oração. Para abrir determinadas portas espirituais, portas do reino dos céus, é necessário orações especificas! Portas específicas do reino dos céus precisam ser alcançadas por orações especificas. Não teremos sucesso nessa missão se não contarmos com O Espirito Santo e o discernimento para orar como convém - “E da mesma maneira também o Espírito ajuda as nossas fraquezas; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis.”  Romanos 8.26. 

  • Expectativa de que a chave escolhida abrirá a porta = Fé 

Ninguém gosta de testar todas as chaves do chaveiro para poder abrir uma porta. Selecionamos a chave que acreditamos que abrirá a porta por meio de um discernimento, e no trajeto entre o nosso corpo até a fechadura criamos uma expectativa que nossa escolha terá êxito. Quando não acertamos ficamos impacientes, muitas vezes irritados, e como que um tratamento de DEUS, muitas vezes a última chave testada tem êxito. É, ou não é verdade?

Uma expectativa que se torna uma convicção. Hebreus 11.1 nos mostra o conceito de fé “Ora, a fé é a certeza das coisas que se esperam, e a convicção das coisas que se não vêem”. Testamos chaves que acreditamos que abrirão as portas. Sem o exercício de fé é impossível abrir portas. Veja que este ato vem de imediato após recebermos uma direção/discernirmos a chave que deve ser usada. A revelação do Espirito gera fé! Porém muitas vezes as coisas não ocorrem como esperamos. Precisamos entender que uma verdadeira fé é acompanhada por perseverança – “sabendo que a aprovação da nossa fé, uma vez confirmada, produz perseverança.” Tiago 1.3, dependendo da tradução, o texto nos diz: …produz tolerância / paciência. Às vezes somos levados a ter que “testar a última chave”. Você sabe por quê? “E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para com eles? Digo-vos que depressa lhes fará justiça. Quando, porém, vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra? Lucas 18:7-8. Deus não tarda, mas age de forma que a nossa fé seja forjada, produzindo perseverança, pois somente aqueles que perseverarem até o fim alcançarão a coroa da vida eterna!

  • Girar a chave e abrir a porta = Ação 

Toda fé precisa ser acompanhada por ação. Selecionar a chave, levá-la até a fechadura, criando uma convicção que a porta se abrirá e não girar a chave é uma verdadeira estupidez. Você acha improvável acontecer isso? Na utilização de chaves naturais concordo que sim, porém, no reino espiritual ocorre, e muito.  “Ora, a perseverança deve ter ação completa para que sejais perfeitos e íntegros, em nada deficientes.” Tiago 1.4.

“Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé, e não tiver as obras? Porventura a fé pode salvá-lo? E, se o irmão ou a irmã estiverem nus, e tiverem falta de mantimento cotidiano, E algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos, e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito virá daí? Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma”. Tiago 2.14-17. 

  • Entrar = autoridade no nome de JESUS

Existem situações que precisamos de coragem para entrar em um determinado lugar, e existem lugares que para se entrar, não basta apenas que a porta esteja  aberta, mas se faz necessário possuir credenciais.

Creio que este é ponto mais importante na oração: A utilização da credencial. Que tipo de credencial você possuí? Em nome de quem você esta falando? Com que autoridade você esta falando? O Senhor JESUS nos deu acesso às portas do céu, nos religando ao PAI por meio do seu sacrifício e ressureição. O SENHOR abriu as portas do inferno e tomou a chave da morte, para nos libertar da escravidão do pecado. O SENHOR abre as portas das nossas cadeias, correntes e amarras nos dando acesso à liberdade! Estas chaves, esta autoridade foi confiada à igreja.

O SENHOR confiou o seu nome, sua autoridade à sua amada igreja! Pare e pense… Isto é muito mais do que o homem mais rico da terra deixar vários cheques assinados em branco para você. Ele nos disse: “…Em verdade e em verdade vos digo: se pedirdes alguma coisa ao Pai, Ele vo-la concederá em meu nome.   Até agora nada tendes pedido em meu nome, pedis e recebereis, para que a vossa alegria seja completa.” João 16:23-24.

Quando somos batizados, passamos a ser identificados pelo nome de JESUS. Passamos de criaturas para filhos, com um registro de paternidade no livro da vida. Passamos a assumir a identidade de Cristo, uma vez que o velho homem morreu e Cristo vive! Nisto somos chamados para assumir um papel fundamental: preparar o caminho da volta de Cristo. Sem fazer o bom uso da credencial que Jesus nos deixou não teremos sucesso.

Fomos chamados para agir como um oficial de justiça que com um documento assinado pelo juiz tem autoridade para entrar em residências, etc. O oficial de justiça é o representante legal do Juiz e fala em nome dele e deve ser respeitado e atendido tanto quanto o juiz. O oficial de justiça não é o juiz, ou dono da lei, mas ele apresenta a lei aos “desavisados”, fazendo com que ela seja conhecida e a vontade do juiz seja atendida. Nós igreja temos este papel. Somos oficiais de justiça do SENHOR, orando, evangelizando, ensinando os mandamentos e vontade do grande JUIZ.

Confesso que eu já havia ouvido um pouco sobre a autoridade do nome de JESUS. Porem, após ter lido o livro “Autoridade Espiritual” de Watchman Nee, um dia, em quanto estava orando em meu quarto, me foi revelado que eu era um representante de Cristo na terra e que quando pedia algo, Deus e o inferno não estavam apenas me vendo, mas acima de mim estavam vendo CRISTO. Neste momento tive uma forte impressão no meu espirito e uma suave visão de um mecanismo interno de uma fechadura se abrindo ao girar de uma chave.

Concluindo, de fato o que o SENHOR JESUS entregou a Pedro/igreja foi um grande presente! Um presente inestimável! Aquele que fizer bom uso desta chave chamada oração, alcançará lugares jamais alcançados.

JESUS VIVE!

_Pr. Fernando de Mello

 

Igreja de Florianópolis – Proclamando a Verdade